Cálcio: O Guia Completo Deste Mineral Essencial

Saiba Tudo Sobre o Cálcio. Entenda Como Funciona, Como Tomar, Benefícios para a Saúde e Qual é o Melhor Tipo.

 

Nosso organismo precisa de uma série de compostos para funcionar de modo adequado e principalmente organizado.

Para se manter saudável, o ser humano precisa se alimentar de modo constante, garantindo assim, a absorção de uma série de nutrientes.

Embora portais de notícias e profissionais da saúde deem grande destaque aos macronutrientes, que são os carboidratos, gorduras e proteínas, os micronutrientes são de essencial importância para o equilíbrio como um todo.

Dentre os mais variados tipos de minerais que existentes o cálcio está entre um dos mais importantes para se ter uma vida saudável.

 

O que é o Cálcio?

 

Trata-se do mineral mais abundante no organismo humano. Está presente nos ossos, dentes, sangue, músculos e também nas células nervosas.

Embora muita gente não saiba, sem ele é impossível se viver, já que as contrações do coração dependem diretamente da sua presença.

Você gostaria de consumir a melhor fonte de cálcio conhecida pela ciência? Clique Aqui para saber mais.

 

Os Benefícios do Cálcio

 

Por ser importante para o organismo, é fundamental que este mineral seja consumido em quantidades adequadas, principalmente durante o período de infância, afinal é nessa fase da vida que ossos e dentes são formados.

Dentre as principais vantagens do seu consumo estão:

  • Fortalecimento e a formação de ossos e dentes;
  • Participação do processo de coagulação do sangue;
  • Transmissão de impulsos nervosos;
  • Contração muscular adequada;
  • Manutenção do equilíbrio do pH sanguíneo.

 

FORTALECIMENTO DE OSSOS E DENTES

Ossos e dentes começam a ser formados quando as pessoas ainda são pequenos fetos no útero de suas mães.

Assim que nascem, as crianças precisam de uma ingestão adequada desse mineral durante toda a infância, pois ele é principal base para a formação de ossos, dentes, articulações e ligamentos.

Além disso, o consumo adequado de cálcio durante a infância e adolescência garante uma reserva corporal natural, que é muito útil em possíveis períodos de escassez futuros.

 

PARTICIPAÇÃO DO PROCESSO DE COAGULAÇÃO DO SANGUE

A coagulação sanguínea é uma resposta fisiológica muito importante em casos de ferimentos.

É através desse processo que o organismo consegue evitar hemorragias severas, que podem causar uma série de problemas e culminar na morte.

A deficiência de cálcio afeta diretamente o processo de coagulação e piora os quadros de sangramentos das mais variadas finalidades.

 

TRANSMISSÃO DE IMPULSOS NERVOSOS

O cálcio atua diretamente no sistema nervoso central, garantindo a transmissão e recepção de impulsos nervosos entre os milhares de neurônios presentes no cérebro.

Além disso, participa ativamente da transmissão de impulsos cerebrais à medula, mantendo assim, uma comunicação corporal completa.

 

 

CONTRAÇÃO MUSCULAR ADEQUADA

Embora muita gente associe o cálcio aos ossos, o mineral também está diretamente ligado aos músculos.

É impossível movimentar qualquer músculo sem a presença de cálcio.

Por isso, esse mineral é considerado como essencial para a vida humana. O coração, por exemplo, principal músculo humano, não funcionaria sem a sua presença.

 

MANUTENÇÃO E EQUILÍBRIO DO PH SANGUÍNEO

Além de todas as vantagens mostradas, o cálcio ainda é importante para que o equilíbrio do pH do sangue se mantenha adequado, na faixa de 7,35.

Alterações nessa faixa de pH sanguíneo, tanto para valores elevados, quanto para valores diminuídos, contribuem para uma série de desordens fisiológicas, conhecidas como acidose ou alcalose metabólica, que são extremamente graves para a saúde.

 

Necessidade Diária de Cálcio

 

As necessidades diárias variam de acordo com a idade e com o sexo em determinadas situações.

Mulheres grávidas ou que estão na menopausa, por exemplo, precisam de doses elevadas do mineral diariamente.

As necessidades diárias de cálcio são determinadas da seguinte forma:

  • 6 meses a 3 anos de idade: 500 mg;
  • 4 a 8 anos de idade: 800 mg;
  • 9 a 18 anos de idade: 1300 mg;
  • 19 a 50 anos de idade 1100 mg;
  • A partir dos 50 anos de idade: 1200 mg;
  • Mulheres após período de menopausa: 1400 mg;
  • Gestantes com idade inferior a 18 anos 1300 mg;
  • Gestantes com idade superior a 18 anos 1000 mg;
  • Mulheres em períodos de amamentação 1400 mg.

 

➤ Clique Aqui para conhecer o melhor tipo de cálcio conhecido (RECOMENDADO!)

 

Sintomas de Deficiência

 

A falta de cálcio no organismo é chamada de hipocalcemia, e tende a surgir somente à longo prazo, quando a deficiência do mineral se prolonga por muito tempo, causando uma série de malefícios à saúde.

Entretanto, a exemplo de muitos outros problemas de saúde, sua deficiência traz uma série de sintomas específicos. Os principais são:

  • Dor nas articulações;
  • Fraqueza nos ossos;
  • Ausência de memória, principalmente em casos de esquecimentos frequentes;
  • Espasmos musculares involuntários e incontroláveis;
  • Câimbras sem causas aparentes;
  • Formigamento desconfortável incessante nas extremidades corporais;
  • Quadros de ansiedade, seguidos por quadros de depressão;
  • Alterações de humor, principalmente com alto grau de nervosismo e irritabilidade;
  • Aumento da pressão arterial (hipertensão);
  • Problemas dentários frequentes, como gengivite e cáries;
  • Alucinações.

 

Doenças Causadas pela Falta de Cálcio

 

A hipocalcemia no organismo é algo bastante severo, mas que pode ser facilmente diagnosticado através de exames.

Quando seus níveis se encontram baixos e nada é feito, algumas doenças podem surgir. As mais comuns são:

➤ Clique Aqui e previna essas doenças com o melhor tipo de cálcio conhecido pela ciência

 

Exames de Saúde

 

Por ser um mineral indispensável para o bom funcionamento do organismo, é ideal que se faça o exame de sangue chamado Cálcio Total.

Este exame tem a finalidade de determinar se os níveis de cálcio no sangue estão dentro dos limites normais.

Os valores de referência para normalidade desse exame são:

  • Crianças de 0 a 9 dias: de 7,6 a 10,4 mg/dL;
  • Crianças de 10 dias a 1 ano: de 9,00 a 11,00 mg/dL;
  • Crianças de 2 a 12 anos: de 8,8 a 10,8 mg/dL;
  • Acima de 12 anos de idade: de 8,8 a 10,6 mg/dL.

 

 

Além do exame de Cálcio Total, uma ótima forma de avaliar a composição óssea – principal reserva do mineral no organismo – é o exame de densitometria óssea.

Esse exame tem como finalidade aferir a densidade dos ossos.

O resultado da densitometria óssea é expressado através de dois tipos de scores que indicam a quantidade de cálcio presentes nos ossos. Há o score Z e o score T.

O Score Z é indicado para pessoas jovens e adultos até 50 anos de idade. Os valores de referência são:

  • Score Z até 1: Normal;
  • Score Z entre 1 e 2,5: Indicativo de osteopenia;
  • Score Z acima de 2,5 indicativo de osteoporose.

Já o Score T é indicado para pessoas acima de 50 anos, idosos e mulheres que já passaram do período de menopausa.

Todas as pessoas desses grupos fazem parte de uma população mais vulnerável ao desenvolvimento de osteoporose. Os valores de referência do score T são:

  • Score T maior que 0: Normal;
  • Score T até – 1: limítrofe;
  • Score T abaixo de – 1: Indicativo de osteoporose.

 

Como Obter Cálcio Pela Alimentação

 

Quando se fala em consumir cálcio através da alimentação, o leite logo vem à mente de muita gente.

Isso não ocorre à toa, afinal, o leite e seus alimentos derivados são boas fontes do mineral. Porém, não são as únicas, nem as mais recomendadas.

As pessoas que sofrem de intolerância à lactose ou possuem alergia à caseína, que é a proteína encontrada no leite, não podem consumir alimentos de origem láctea, por conta disso precisam ingerir alimentos que também sejam boas fontes de cálcio.

A seguir segue uma lista de alimentos que contêm boas quantidades deste importante mineral em sua composição:

  • Tofu – 159 mg em 100 g;
  • Brócolis – 400 mg em 100 g;
  • Sardinha – 500 mg em 100 g;
  • Espinafre – 160 mg em 100 g;
  • Sementes de gergelim – 400 mg em 100 g;
  • Linhaça – 200 mg em 100 g;
  • Grão de bico – 120 mg em 100 g;
  • Aveia – 300 mg em 100 g;
  • Semente de chia 550 mg em 100 g;
  • Leite desnatado – 122 mg em 100g;
  • Leite integral – 118 mg em 100g;
  • Iogurte – 150 mg em 100 g;
  • Queijo cottage – 520 mg em 100 g;

Algumas dietas são excelentes para garantir a dose diária de cálcio que necessitamos, como a dieta paleo, por exemplo.

Mas embora os alimentos sejam considerados as melhores fontes de cálcio, muitas pessoas têm enorme dificuldade para conseguir as necessidades diárias deste mineral somente pela alimentação.

Por conta disso, é muito comum que médicos e nutricionistas recomendem a seus pacientes que façam uso de suplementos.

➤ Clique Aqui para conhecer o melhor suplemento mineral do mercado atual

 

Suplementos de Cálcio

 

Atualmente existe no mercado uma série de suplementos de cálcio de diferentes tipos de origem. São eles:

  • De origem mineral, extraído de conchas dolomitas;
  • De origem animal, extraído de conchas de ostras;
  • De origem vegetal, extraído de alga marinha Lithotaminium (o melhor tipo).

 

Embora esses três tipos ofereçam boas concentrações do mineral, o suplemento à base da alga marinha lithotaminium é o que mais vem se destacando em estudos.

Isso porque o cálcio extraído das algas de origem vegetal é melhor absorvido pelo organismo.

O suplemento de origem vegetal tem absorção de 87%, enquanto o oriundo das conchas e rochas não passam de 53% de absorção.

Além disso, por se tratar de uma fonte natural e com origem totalmente orgânica, profissionais da saúde afirmam que ele é o tipo mais seguro à saúde de seus consumidores.

Não há quaisquer contraindicações ao seu consumo.

Outro ponto positivo do Lithothamnium é que, por não gerar resíduos e não se acumular nas artérias, ele não traz efeitos colaterais nem aumenta o risco cardíaco, ao contrário dos outros tipos de cálcio.

O suplemento de cálcio de alga marinha de maior destaque do mercado atual é o Lithoplex Balance.

Extraído de matéria-prima orgânica e de forma ecologicamente sustentável, é o suplemento mais indicado pela ciência.

Assista ao vídeo abaixo para entender como o Lithoplex funciona. ↓

 

 

➤ Clique Aqui para visitar o site o oficial do Lithoplex Balance

 

Dezenas de Minerais em Sua Composição

Os suplementos de cálcio de algas marinhas, como o Lithoplex, contêm ainda cerca de 70 minerais em sua composição. Sendo os principais:

  • Cromo;
  • Cobre;
  • Magnésio;
  • Manganês;
  • Zinco.

Toda essa grande variedade de minerais também é rapidamente absorvida e utilizada pelo organismo, garantindo o fortalecimento dos ossos, boa digestão, qualidade do sono e até mesmo a diminuição do estresse.

 

O Suplemento de Cálcio Mais Indicado (RECOMENDAÇÃO)

Lithoplex Balance: tratamento natural e sem contra-indicação para osteopenia

Se você você deseja proteger seus ossos contra fraturas e problemas mais sérios, como a osteoporose, recomendamos que você faça o teste com o Lithoplex Balance.

Diversas pesquisas científicas confirmam que o uso contínuo do Lithoplex produz resultados excelentes.

Isso porque o este suplemento tem como base a alga marinha Lithothamnium calcareum, a melhor fonte de cálcio conhecida.

O Lithoplex, inclusive, é capaz de gerar ganho de massa óssea, algo que nenhum outro suplemento é capaz de fazer.

 ➤ Clique Aqui para saber mais sobre o Lithoplex (RECOMENDADO)

 

Amigos e Inimigos da Absorção

 

Para que o organismo absorva o cálcio de modo mais satisfatório, é importante que ele seja consumido longe de alimentos que sejam fontes de ferro e cafeína, como é o caso de carnes, feijão, lentilha, café, chá verde, chá preto.

É por isso que refrigerantes são considerados inimigos dos ossos fortes. Se você acompanha o Emagrecendo.info, já sabe o que pensamos deles, certo? Elimine-os o quanto antes da sua vida!

Outro fator de suma importância para que o mineral seja absorvido de modo correto é a presença da vitamina D.

Essa vitamina estimula a absorção do mineral pelo intestino e colabora para sua fixação nos ossos e dentes, formando assim um depósito desse importante mineral.

Um fato curioso sobre a vitamina D, é que ela se faz presentem em poucos alimentos. O organismo é capaz de produzi-la quando a pele é exposta ao sol, sem a utilização de protetores solares.

Além de todos esses fatores alimentares, outra forma de estimular a absorção e fixação do cálcio no organismo se dá através de atividades físicas que tenham algum impacto, como é o caso de corrida, musculação, por exemplo.

O impacto estimula o corpo a incorporar o cálcio nos ossos. Isso ocorre por conta do estresse mecânico induzido e pelo fortalecimento muscular.

 

Dúvidas Comuns

 

Suplementos à base de cálcio podem ser utilizados de forma conjunta com outros suplementos minerais?

Depende. Ele não deve ser utilizado em conjunto com outros suplementos minerais que contenham ferro em sua composição, pois o ferro diminui a absorção de cálcio pelo organismo.

Por isso recomendamos o Lithoplex Balance, que é altamente absorvido e um suplemento mineral completo para a saúde.

A pessoa que faz uso de suplemento à base de cálcio pode ingerir bebida alcóolica?

Não existe nada na literatura científica que imponha algum tipo de restrição entre o consumo de bebida alcoólica e a administração de suplementos minerais.

No entanto, para evitar qualquer tipo de problema no processo de absorção do mineral, profissionais da saúde, sugerem um intervalo de até 3 horas entre o consumo de álcool e a ingestão de suplementos.

Gestantes, nutrizes e crianças podem fazer uso de suplementos de cálcio?

Suplementos de todo tipo devem ser utilizados somente sob orientação médica, pois sua indicação de uso, como seu nome já sugere, é de suplementar algum tipo de deficiência desse mineral, que pode não ser alcançada com a simples alimentação.

 

AUTOR: MURILO CAMANO – Nutricionista e biomédico pós-graduado em nutrição esportiva. CRBM 17665 | CRN3 51723 – Saiba mais sobre o autor

 

Artigos de Referência:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572008000600003

http://revista.fmrp.usp.br/2008/VOL41N3/SIMP_6Equilibrio_acido_base.pdf

http://books.scielo.org/id/sqj2s/pdf/villela-9788523208998-01.pdf

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842007000100007

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK56060/

http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbg/v18n3/a08v18n3.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3905747/



Ômega 3 – O Suplemento Fundamental

Descubra Tudo Sobre o Ômega-3 e o Óleo de Peixe. Como Funciona, Quando Tomar, Benefícios para a Saúde e Quais São os Efeitos Colaterais.

 

Vive-se atualmente uma jornada louca em busca de emagrecimento rápido, muitas vezes sem que se pense em saúde.

Logo que se fala em perda de peso, automaticamente as pessoas imaginam que é necessário retirar a gordura do planejamento alimentar.

Mas diferentemente do que muita gente pensa, a gordura de boa origem é de suma importância para o bom funcionamento do organismo, e até mesmo para o processo de perda de peso.

E dentre os tipos de gorduras mais benéficos à saúde, o ômega-3 sempre será fundamental para quem quer viver uma vida saudável.

 

O Suplemento Fundamental

 

Cada vez mais relevante nos dias de hoje, o ômega 3 é uma gordura essencialmente anti-inflamatória, e atua em sentido oposto ao ômega 6, que tem função inflamatória.

Ambos são essenciais para a saúde, mas o grande problema é que a alimentação cotidiana das pessoas de modo geral contém quantidades elevadíssimas de ômega-6, presente em óleos vegetais hidrogenados (óleo de soja, de milho, de canola etc.), frituras e comida industrializada.

O resultado desse desequilíbrio é um excesso de inflamação, extremamente prejudicial para nossos corpos que, ao longo do tempo, pode desencadear dezenas de problemas de saúde.

A solução é consumir menos ômega-6 e mais ômega-3.

Isso pode ser corrigido ao se adotar uma dieta que limite o consumo de comida industrializada e óleos vegetais processados e também por meio da suplementação.

Sobre a dieta, a que melhor equilibra a proporção de ômega-6/3 é a dieta paleo. Vale conferir mais sobre esse estilo de alimentação.

Sobre a suplementação, nós falaremos mais sobre ela adiante. Mas já adiantamos que aqui no Emagrecendo.info, nós o consideramos um suplemento obrigatório! Vamos em frente.

 

O que é Ômega-3?

 

O ômega-3 é um ácido graxo essencial, vital para a ocorrência de uma série de funções e reações fisiológicas que mantem o organismo funcionando de modo adequado.

Pelo fato de não ser produzido de modo natural pelo corpo, precisa ser consumido de alguma forma (seja pela alimentação, seja por meio da suplementação).

 

O que é um Ácido Graxo?

O ácido graxo é, na verdade, um tipo de gordura presente em uma série de alimentos. Eles podem ser saturados, monoinsaturados ou poli-insaturados.

Como citado anteriormente, o ômega-3 é um ácido graxo essencial, pelo simples fato de ser utilizado como fonte de energia por basicamente todas as células do organismo.

Além do mais, o ômega 3 atua como agente antioxidante, trazendo uma série de benefícios a diferentes localidades do corpo, tanto interna, quanto externamente.

Quando ingeridos, os ácidos graxos são modificados, com a finalidade de produzir substâncias capazes de controlar e prevenir processos inflamatórios, secretar hormônios e também compor o tecido adiposo.

Esse tipo de gordura pode ainda influenciar de modo direto e positivo a sinalização celular que age diretamente sobre o DNA, ativando ou inibindo os mais variados fatores de transcrição.

 

Tipos de Ômega 3

Fontes de ômega 3

 

Existem três tipos de ômega-3. São eles:

  • ALA – Ácido alfa-linolênico;
  • EPA – Ácido eicosapentaenoico;
  • DHA – Ácido docosahexaenoico.

 

ALA – Ácido Alfa-linolênico

O ALA possui origem vegetal e após sua absorção pode ser convertido em DHA ou EPA, o organismo possui enzimas capazes de realizar esse processo de transformação.

Entretanto, suas atividades são diminuídas quando há presença de maus hábitos, como o consumo de álcool, tabagismo, estresse, diabetes, consumo elevado de carboidratos simples e, claro, o envelhecimento.

Por isso, além de consumir o ALA, é importante ter autocuidado e manter hábitos saudáveis.

As fontes de ALA são todas vegetais. Os alimentos que mais possuem esse tipo de ácido graxo de qualidade são:

  • Nozes;
  • Sementes de chia, linhaça e de abóbora;
  • Vegetais verde-escuro, como espinafre, couve e brócolis.

 

EPA – Ácido Eicosapentaenoico

O EPA possui uma ótima ação anti-inflamatória, uma vez que auxilia a ocorrência de uma série de reações enzimáticas, responsáveis pela produção de substâncias que agem diretamente no combate a inflamações, neutralizando assim, a ocorrência da atividade pró-inflamatória.

Esse tipo de ômega 3, traz uma série de benefícios a todo o sistema cardiovascular, pois, evita a formação de trombos e placas de gordura no interior de vasos sanguíneos, prevenindo a ocorrência de uma série de patologias.

O EPA é facilmente encontrado em:

  • Sardinha;
  • Óleo de bacalhau;
  • Arenque;
  • Cavala;
  • Atum;
  • Tuna;
  • Óleo de algas.

 

DHA – Ácido Docosahexaenoico

Além de ter extremo poder antioxidante, o DHA é fundamental para a boa formação dos fetos, além de participar ativamente na formação dos olhos, especialmente na região da retina.

Esse tipo específico de ômega 3 é de suma importância para o funcionamento cerebral, já que potencializa o funcionamento cognitivo, facilitando a conexão entre os neurônios.

A suplementação de DHA durante a vida adulta, fortalece a memória e o pleno funcionamento cerebral, evitando o acúmulo de substância inflamatória no tecido cerebral.

Essa variação de ácido graxo essencial é um verdadeiro aliado na prevenção de doenças neurológicas e neurodegenerativas, como é o caso do mal de Alzheimer, Parkinson e até mesmo na esclerose lateral amiotrófica.

As principais fontes desse tipo de ácido graxo são:

  • Sardinha:
  • Arenque;
  • Caviar;
  • Salmão selvagem.

 

Diferenças de Absorção dos Tipos de Ômega-3

Os diferentes tipos de omega 3

 

O ácido alfa linolênico – ALA, possui origem vegetal. Já o EPA – Ácido eicosapentaenoico e o DHA – Ácido docosahexaenoico possuem origem animal. E isso influencia diretamente a absorção desses compostos pelo organismo.

O ALA, quando ingerido, precisa passar por um processo enzimático, que o prepara para ser absorvido pelo organismo. Isso faz com que sua eficácia seja diminuída dentro do corpo, afetando seus possíveis efeitos benéficos.

Já o EPA e DHA são oriundos diretamente de fontes animais, portanto, são mais biodisponíveis (absorvidos mais facilmente) e não precisam passar por reações enzimáticas para que sejam potencialmente absorvidos.

O que pouca gente sabe é que a maioria dos peixes que são consumidos no Brasil, são provenientes de cativeiros, portanto, possuem menores índices de ácidos graxos em suas composições, quando comparados aos selvagens que vivem livremente nos mares, principalmente de águas geladas e profundas.

O mesmo é válido para alimentos de origem vegetal produzidos em larga escala.

Por isso, a melhor forma de realmente se obter os benefícios do ômega 3 se dá através do consumo de suplementos à base de óleo de peixe.

 

Benefícios do Ômega 3

Quais os principais benefícios do ômega 3

 

Esse importante tipo de gordura é capaz de prover uma série de benefícios. Os principais são:

  • Protege o sistema cardiovascular;
  • Melhora a visão;
  • Potencializa o funcionamento cerebral;
  • Combate a depressão;
  • Alivia as dores causadas por doenças inflamatórias;
  • Controla o diabetes tipo 2;
  • Combate a obesidade.

 

PROTEGE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

A ação antioxidante e anti-inflamatória do ômega 3 é capaz de prevenir a formação de trombos, coágulos e até mesmo placas de gorduras no interior de vasos sanguíneos. Isso faz com que o sangue flua de modo mais fácil por entre veias e artérias.

E isso não é tudo, esse ácido graxo essencial é capaz de oxidar moléculas de colesterol ruim, o HDL e triglicérides, reduzindo o teor de lipídios no sangue.

Infarto; AVC; taquicardia; pressão alta; trombose; hipercolesterolemia são exemplos de doenças que podem ser evitadas com o simples consumo de ômega-3.

 

MELHORA A VISÃO

O ômega-3 é considerado essencial para a saúde dos olhos pois participa do recobrimento da retina, região dos olhos responsáveis pela transformação dos estímulos luminosos em estímulos elétricos.

A degeneração macular que acomete a retina é a principal responsável pela ausência de aferição de detalhes que podem prejudicar a visão e indiretamente causar danos de percepção.

A presença de ômega no organismo evita que a degeneração macular ocorra, mantendo o pleno funcionamento dos olhos.

 

POTENCIALIZA O FUNCIONAMENTO CEREBRAL

O ômega 3 age de modo direto sob a bainha de mielina. Essa estrutura é responsável pela comunicação dos neurônios, potencializando assim os impulsos elétricos e turbinando o funcionamento cerebral.

A presença de ômega-3 é capaz de potencializar a circulação sanguínea cerebral, diminuindo as chances de desenvolvimento de demência ao envelhecer.

Além disso, crianças e adolescentes mostram melhores desenvolvimento escolares quando consomem esse ácido graxo.

Por potencializar a atividade cerebral, essa gordura benéfica previne a instalação de problemas neurológicos em idosos, como mal de Alzheimer, mal de Parkinson e uma série de outras patologias neurológicas.

 

COMBATE A DEPRESSÃO

A ausência de ômega 3 pode ocasionar a diminuição da secreção de neurotransmissores, receptores cerebrais e até mesmo de alguns hormônios. Isso pode fazer com que pessoas se tornem depressivas.

A ingestão adequada de ômega-3 é capaz de potencializar a secreção e recepção de neurotransmissores através de uma melhora de comunicação na bainha de mielina, isso traz alterações significativas no humor, diminuindo ou até mesmo revertendo quadros de depressão.

 

ALIVIA AS DORES CAUSADAS POR DOENÇAS INFLAMATÓRIAS

Doenças inflamatórias como artrite, artrose e até mesmo gota, por exemplo, podem causar dores um tanto quanto incomodas, mas que podem ser controladas e amenizadas com a ingestão de ômega 3.

Como citado, esse ácido graxo possui poderosa ação anti-inflamatória, bloqueando enzimas que potencializam a ocorrência de processos inflamatórios.

Além disso, vale ressaltar que o ômega-3 muitas vezes está presente na composição de alguns fármacos que possuem ação anti-inflamatória.

 

CONTROLA O DIABETES TIPO 2

Outro benefício que vêm sendo observado através da ingestão do ômega 3 é sua capacidade de controlar os índices de diabetes.

Isso ocorreria pelo simples fato do ômega-3 melhorar a resposta das células corporais à insulina, diminuindo a resistência a esse hormônio, o que facilitaria a entrada de glicose nas células.

Esse efeito causa então a diminuição dos níveis de glicose sanguínea, favorecendo o controle do diabetes tipo 2.

 

CONTROLA A OBESIDADE

Outro incrível benefício do ômega-3 é sua ação de combate à obesidade, ajudando no emagrecimento.

Isso ocorre devido a sua ação anti-inflamatória, uma vez que a obesidade nada mais é do que um processo inflamatório.

A ação anti-inflamatória do ácido graxo é capaz de melhorar a resposta das células aos agentes inflamatórios, diminuindo o acúmulo de inchaços e potencializando a utilização de gordura corporal como substrato energético.

Além do mais, o ômega-3 é capaz de atuar diretamente na modulação de alguns hormônios e neurotransmissores que participam do processo de controle da fome, reduzindo a presença de proteínas e hormônios responsáveis pelo aumento do apetite. Quer emagrecer de vez? Consuma mais ômega 3!

Por todos esses benefícios que listamos, nós consideramos o ômega-3 um suplemento essencial para quem busca a longevidade.

 

Qual é a Dose Recomendada?

Qual a dose diária recomendada de ômega-3

 

As doses recomendadas para consumo de ômega 3 são variáveis e dependem basicamente da situação de saúde de cada indivíduo.

De maneira geral, alguns estudos sugerem que a dose segura desse ácido graxo deve ficar entre 1000 mg a 4000 mg diárias.

 

Qual é a Melhor Maneira de se Consumir?

Como consumir ômega 3

 

As formas de consumo se dão de duas formas basicamente:

  • Ingestão de alimentos que contenham os ácidos graxos;
  • Utilização de suplementos à base de ômega 3.

 

Por vivermos em um país tropical, de águas marítimas quentes, os peixes pescados no mar não possuem boas concentrações de ômega-3, assim como as espécies criadas em cativeiros, que são pobres nesse tipo de ácido graxo.

Suplementos de Óleo de Peixe

A melhor forma de se consumir o ômega-3 aqui no Brasil se dá pela utilização de suplementos que sejam à base de óleo de peixe.

De modo geral, os suplementos de óleo de peixe são vendidos em cápsulas de 1000mg. Cada cápsula de 1000mg de óleo de peixe costuma conter cerca de 300-360mg de ômega 3, na forma de EPA e DHA.

Assim, para obter a recomendação mínima de consumo de ômega-3, é preciso consumir 3 cápsulas de 1000mg de óleo de peixe.

 

POSSÍVEIS EFEITOS COLATERAIS E CONTRAINDICAÇÕES

Mesmo se tratando de uma gordura benéfica, seu consumo desenfreado ou descontrolado tende a causar alguns efeitos colaterais, sendo os mais comuns:

  • Flatulência;
  • Azia;
  • Refluxo gastresofágico;
  • Queimação;
  • Diarreia;
  • Cólicas abdominais;
  • Hipotensão.

 

Devido ao fato dos suplementos serem extraídos diretamente de peixes, o consumo é contraindicado para pessoas alérgicas a peixes e frutos do mar.

O ácido graxo é ainda contraindicado para pessoas que tem problemas em fatores de coagulação, como hemofilia, uma vez que o consumo exacerbado de ômega-3 pode desencadear quadros de hemorragia, pois torna o sangue mais fluido.

Grávidas devem ser cautelosas quando às doses de consumo, e só devem realmente consumir o ácido graxo através de indicação médica, pois o excesso desse tipo de gordura no organismo pode causar problemas de desenvolvimento fetal.

 

Dúvidas Comuns

 

Ômega 3 emagrece?

O ômega 3 sozinho não é capaz de emagrecer ninguém. Sua ação perante os receptores de insulina e liberação de hormônios, tem efeito positivo como anti-inflamatório. Porém, o processo de perda de peso ocorre somente com sua utilização aliada a uma boa alimentação e prática de atividades físicas regulares.

Combinado com boa dieta e exercícios físicos, o ômega-3 ajuda a perder barriga sim e pode ser considerado um suplemento para emagrecer.

 

Por ser uma gordura, o ômega 3 aumenta o colesterol ruim?

Não! O ômega-3 na verdade possui uma ação antioxidante, capaz de diminuir os níveis de colesterol ruim e também os triglicerídeos, fazendo com que o perfil lipídico de seus consumidores melhore de forma exponencial.

 

Como saber se o suplemento de ômega 3 ou óleo de peixe tem qualidade?

Procure por um suplemento que seja de alguma marca conhecida, famosa e com ótimo controle de qualidade. Outra dica importante é cheirar o pote de ômega-3, um cheiro bem leve de peixe, indica que o produto é de qualidade.

 

Como preservar meu suplemento?

A melhor forma de preservar seu suplemento de ômega-3 é deixa-lo em um local fresco e arejado longe da luz solar. O contato direto com o sol e o calor, oxida o ômega, fazendo com que ele perca sua funcionalidade.

 

AUTOR: MURILO CAMANO – Nutricionista e biomédico pós-graduado em nutrição esportiva. CRBM 17665 | CRN3 51723 – Saiba mais sobre o autor

 

 

 

Artigos de Referência:

http://www.scielo.br/pdf/abem/v53n5/12.pdf

http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2017/04/5-EFEITOS-DA-UTILIZAÇÃO-DO-ÔMEGA-3-NO-PROCESSO-DE-ENVELHECIMENTO-UMA-REVISÃO.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4728620/

http://www.scielo.br/pdf/abc/2014nahead/pt_0066-782X-abc-20140176.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19227095

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3976923/

http://www.scielo.br/pdf/abem/v58n4/0004-2730-abem-58-4-0335.pdf

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2013000900001

Pressão Alta: Aprenda a Vencer a Hipertensão

Entenda Exatamente o que é a Hipertensão e Descubra Várias Maneiras Naturais de se Livrar da Pressão Alta

 

A hipertensão, ou pressão alta, é um problema que afeta cada vez mais pessoas no Brasil e no mundo. Um inimigo silencioso, seu diagnóstico não é fácil e suas consequências são graves.

Esse problema de saúde surge ao longo dos anos e é caracterizado pela pressão arterial em níveis considerados altos demais.

Aqui neste artigo você vai entender tudo sobre a hipertensão e como preveni-la ou combatê-la da melhor maneira.

Todas as pessoas possuem sangue fluindo nos vasos sanguíneos, e a movimentação do sangue só é possível por conta de nossa pressão arterial.

A pressão arterial é a pressão com a qual o sangue flui no interior dos vasos sanguíneos, através da força proveniente dos batimentos cardíacos. Quanto mais sangue é bombeado pelo coração por minuto, maior será a pressão.

A pressão arterial não é algo fixo. Ela pode variar de maneira instantânea, dependendo do estado da pessoa no momento em que a pressão foi medida.

Você gostaria de baixar sua pressão com rapidez e sem remédios? Clique aqui e conheça o método do Dr. Lair Ribeiro

 

O que é Hipertensão Arterial, ou Pressão Alta?

Hipertensão: conheça os perigos da pressão alta

 

A hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta, é um problema de saúde geralmente silencioso, que não manifesta sintomas e dificulta o diagnóstico por parte dos médicos.

Um paciente é considerado hipertenso quando sua pressão arterial é igual ou superior a 140 x 90, ou 14 por 9.

 

A Diferença Entre Pressão Sistólica e Diastólica

Quando bate, o coração se contrai e relaxa, bombeando sangue pelas artérias até o restante do corpo. Essa força de batimento cria uma pressão sobre as artérias, que é chamada de pressão sistólica.

Já quando o coração entra em repouso, e o sangue corre pelos vasos sanguíneos, ocorre um tipo de pressão que é chamada de diastólica.

É por isso que a pressão arterial é aferida com duas medidas.

 

Pressão Arterial

O que é pressão arterial

 

A pressão arterial é definida da seguinte maneira:

  • Normotensos / pressão normal – valores de pressão arterial menores ou iguais a 12 por 8;
  • Pré-hipertensos – valores de pressão arterial entre 12 por 8 e 13 por 9;
  • Hipertensos Grau I – valores de pressão arterial entre 14 por 9 e 15 por 9;
  • Hipertensos Grau II – valores de pressão arterial iguais ou superiores a 16 por 10.

 

 

Números da Hipertensão Arterial

De acordo com dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Hipertensão, o país possui atualmente cerca de 17 milhões de pessoas que sofrem com pressão alta.

A expectativa é de que até o ano de 2025 o número de pessoas hipertensas em países subdesenvolvidos, como é o caso do Brasil, deva crescer em cerca de 80%.

Por conta dos números alarmantes e potencial crescimento do problema, trabalhos de prevenção e conscientização são de suma importância.

Veja alguns números importantes sobre esse problema de saúde:

  • Cerca de 450 mil pessoas morrem anualmente em decorrência de AVE – Acidente Vascular Encefálico em todo o mundo, ocasionados por hipertensão arterial;
  • No Brasil, mais de 1 milhão de pessoas morrem anualmente em decorrência a problemas cardiovasculares, causados pela pressão alta;
  • Mais de 300 mil brasileiros sofrem infarto anualmente, em decorrência de hipertensão;
  • Doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no Brasil;
  • Estima-se que 25% da população brasileira seja hipertensa. Em pessoas com mais de 60 anos, essa porcentagem pode chegar a 60%.

Clique aqui e aprenda a baixar a pressão naturalmente (SEM REMÉDIOS)

 

Principais Causas da Pressão Alta

Causas da pressão alta e hipertensão

 

A pressão arterial pode se elevar por conta de determinados fatores. No entanto, a principal causa da hipertensão arterial é contração dos vasos sanguíneos, que dificulta o fluxo de sangue.

Dentre os fatores que podem causar a dificuldade da circulação sanguínea pelos vasos estão:

  • Histórico de pessoas com pressão alta na família;
  • Sobrepeso;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Dieta em rico em sódio, carboidratos refinados e gorduras de má qualidade;
  • Tabagismo;
  • Sedentarismo;
  • Consumo excessivo de bebida alcóolica;
  • Altos níveis de colesterol e triglicérides sanguíneos;
  • Estresse.

 

Sintomas de Pressão Alta

Sintomas da pressão alta

 

Embora tenha um início assintomático, em determinado momento a hipertensão arterial se manifesta através de sinais e sintomas específicos. Os mais comuns são:

  • Dores pontuais na nuca;
  • Visão embaçada;
  • Cansaço sem causa aparente;
  • Tonturas;
  • Náuseas;
  • Enjoos;
  • Sangramentos nasais.

Clique aqui e aprenda um método ideal para baixar a pressão sem remédios

 

Complicações Comuns da Hipertensão

Dúvidas comuns sobre a hipertensão

 

Por afetar a oferta de sangue e consequentemente de oxigênio e nutrientes para o corpo, é muito comum que pessoas que não tratem a pressão alta sofram algum tipo de complicação. As mais comuns são:

  • Insuficiência cardíaca;
  • Infarto;
  • Arritmias ou taquicardia;
  • Morte súbita;
  • Aneurisma cerebral;
  • Perda da visão;
  • Insuficiência renal;
  • AVE;
  • Arteriosclerose;
  • Demência por conta de falta de oxigenação cerebral.

 

Diagnóstico e o Tratamento Clássico

Como tratar a pressão arterial elevada?

 

O diagnóstico da pressão alta se dá pela aferição da pressão arterial, feita durante uma consulta médica.

Uma vez descoberta, a doença geralmente é tratada com medicamentos vasodilatores. Ou seja, remédios que dilatam os vasos sanguíneos e facilitam o fluxo sanguíneo pelo interior de vasos e artérias.

No entanto, existem outras maneiras de tratar, prevenir e reverter a hipertensão. E é sobre eles que vamos falar a seguir.

Clique aqui e conheça como baixar a pressão de forma rápida (SEM REMÉDIOS)

 

Como Reverter a Pressão Alta Naturalmente?

É possível reverter pressão alta com alimentos e exercícios?

 

Embora seja um problema de saúde considerado grave, a pressão alta pode ser revertida e/ou controlada por meio de dois hábitos importantes: a prática de exercícios físicos e uma alimentação adequada.

 

Atividades Físicas e a Hipertensão Arterial

Não é segredo algum que a prática de atividades físicas é algo muito importante para a manutenção de uma vida saudável.

Como citado anteriormente, a principal causa da hipertensão arterial é a obstrução dos vasos sanguíneos, independentemente de qual seja a forma. Seja por conta de excesso de gordura corporal, ou então por conta de obstruções internas.

Quando se prática atividades físicas, a tendência é que o organismo utilize a gordura corporal como substrato energético. Ou seja, que use gordura como energia para realização de funções corporais específicas.

Com a diminuição dos níveis de gordura corporal e também de gordura no sangue, os vasos sanguíneos se tornam menos pressionados e o resultado é uma fluidez sanguínea facilitada, que faz com que os níveis de pressão arterial diminuam e se tornem mais controlados.

Mas isso não é tudo.

Atividades físicas também auxiliam o organismo a produzir e liberar alguns hormônios. Entre os principais hormônios liberados durante a prática de atividades físicas estão as catecolaminas, que são a adrenalina e a noradrenalina.

Quando se prática atividade física, a produção desses dois hormônios é aumentada, isso faz com que o organismo aumente sua taxa metabólica, aumente a liberação de glicose e ácidos graxos como fonte de energia, além de promover a vasodilatação, ou seja, o relaxamento dos vasos sanguíneos.

 

 

No entanto, o tipo de exercício e sua intensidade interferem diretamente na produção e liberação de ambos os hormônios.

A velha e boa caminhada ajuda e funciona sim, vamos deixar isso claro, mas um treino intenso ainda traz mais vantagens.

Atividades físicas intensas, por exemplo, potencializam a liberação das catecolaminas e ainda auxiliam na diminuição dos níveis de gordura corporal.

Nós falamos muito sobre o treino HIIT aqui no Emagrecendo.info, e não é à toa. As pesquisas demonstram que o HIIT é superior a exercícios aeróbico de baixa intensidade para quem deseja controlar a pressão alta.

Uma pesquisa publicada na Nature mostra que tanto o HIIT quanto exercício aeróbico contínuo baixam de forma igual a pressão arterial. No entanto, apenas o HIIT é capaz de:

  • reduzir a calcificação arterial
  • melhorar a artéria carótida femoral
  • melhorar a função cardiorrespiratória
  • melhorar a resposta hormonal do corpo ao exercício físico
  • melhorar a função endotelial

Em resumo, o HIIT é extremamente eficaz para relaxar as veias, o que ajuda a explicar sua capacidade de reduzir a hipertensão. UM método de HIIT que recomendamos bastante é o Total HIIT, de Thiago Pugliesi.

Clique aqui e conheça o treino HIIT que recomendamos (para fazer em casa!)

 

A Importância da Alimentação

Outro item fundamental a ser entendido por quem busca diminuir a pressão alta é a alimentação.

O primeiro passo para quem quer controlar os níveis de pressão arterial é diminuir o consumo de sódio.

Esse mineral, embora importante para o pleno funcionamento do organismo, quando consumido de maneira excessiva contribui para a ocorrência da hipertensão arterial.

Quando se consome sódio de maneira excessiva, o volume sanguíneo dentro de veias e artérias tendem a aumentar. Isso ocorre pelo simples fato do sódio atrair moléculas de água.

Por isso, quando uma pessoa ingere um alimento muito salgado, o mineral se acumula no fluído extracelular, ou seja, fora das células. Com isso, há um aumento da afinidade desses fluídos com a água e o organismo, que tenta preservar seu equilíbrio osmótico.

 

 

Dessa forma, o organismo retém mais água e torna o sangue mais denso, circulando de maneira deficiente pelos vasos sanguíneos causando a hipertensão arterial.

Além do mais, quando se consome sódio de modo excessivo, os hormônios antidiuréticos são liberados fazendo com que os rins retenham grandes quantidades de água. Isso aumenta a sensação de sede e piora o quadro de hipertensão arterial.

Adotar uma alimentação rica em gorduras de má qualidade e carboidratos simples também colaboram para a ocorrência de pressão alta, afinal, quando consumidos de maneira excessiva, fazem com que o organismo acumule gordura.

Quanto maior for a quantidade de gordura corporal, mais difícil será para o sangue circular nos vasos sanguíneos, ocasionando assim, a hipertensão arterial.

Por conta disso, é muito comum que nutricionistas recomendem uma alimentação com menores índices de carboidrato para controle de peso e, consequentemente, como forma de controlar a hipertensão.

Low-Carb e a Pressão Alta

A dieta low carb é uma excelente pedida para quem quer controlar a pressão arterial. Outras dietas que também podem ajudar são a dieta paleo e a cetogênica.

Além de funcionarem bem para emagrecer e reduzir a gordura corporal, facilitando a circulação do sangue pelas veias, essas dietas eliminam o excesso de água, que também contribui para reduzir a pressão das artérias.

Contudo, unir a prática de atividades físicas com uma alimentação saudável é a melhor forma de prevenir ou então reverter a hipertensão arterial.

 

Magnésio para o Controle da Hipertensão Arterial

 

Existe muitas dúvidas e questionamentos sobre a utilização do magnésio como forma de prevenir ou controlar a pressão alta.

No entanto, antes de falar disso, vamos explicar um pouco sobre esse importante mineral.

Clique aqui e aprenda a controlar a pressão SEM REMÉDIOS

 

O que é o Magnésio?

O magnésio é um mineral fundamental para o pleno funcionamento do organismo como um todo.

Esse importante mineral participa ativamente de mais de 300 reações em todo o organismo.

Algumas de suas funções consistem em ativar enzimas que participam da metabolização de eletrólitos, lipídios, carboidratos e também proteínas.

A produção de energia celular, a síntese de proteínas e até mesmo a produção e liberação hormonal, por exemplo, não ocorreriam sem a presença do magnésio.

Outra função importante do magnésio, diretamente ligada às questões de controle arterial, se dá pelo controle da tonicidade de vasos sanguíneos.

 

 

Magnésio e a Hipertensão Arterial

O magnésio atua como um antagonista do cálcio natural, e isso modula os tônus de vasos sanguíneos, melhorando a passagem do sangue.

Estudos demonstraram que o magnésio é responsável por causar o relaxamento da musculatura lisa e por inibir a transmissão neuromuscular, fazendo com que os vasos sanguíneos se tornem menos densos e fechados.

Pesquisadores afirmaram que o magnésio pode atuar de modos diferentes no organismo, quando utilizado no tratamento da pressão alta.

A primeira maneira seria ligando-se a um substrato que dá origem a um complexo que interage com enzimas específicas, e a segunda, unindo-se diretamente à enzima, modificando sua estrutura de atuação.

Em ambos os casos, o magnésio aumentaria a resistência plaquetária, controlando a agregação de plaquetas por mecanismos inibitórios de cálcio.

Essa ação, inibe a atuação de enzimas conversoras de angiotensina, o que causaria automaticamente vasodilatação e diminuição dos índices de hipertensão.

Dessa forma, suplementar com magnésio, pode sim, ser uma ótima opção para quem busca reverter os problemas de hipertensão.

Clique aqui e conheça como baixar a pressão naturalmente (SEM REMÉDIOS)

 

Dúvidas Comuns Sobre Pressão Alta

 

A exemplo de muitas outras patologias, a hipertensão arterial levanta uma série de dúvidas nas pessoas. A seguir, é possível visualizar os questionamentos mais comuns acerca dessa doença tão comum no Brasil.

 

A pressão alta tem cura?

Não. A hipertensão quando diagnosticada pode ser apenas controlada, através de alimentação adequada (de preferência low carb), prática de atividades físicas e suplementação com magnésio.

Qualquer elevação de pressão arterial é considerada pressão alta?

Não. A pressão pode se elevar momentaneamente por uma série de fatores. O estado psicológico de uma pessoa, hábitos e atividades cotidianos podem alterar rapidamente os níveis de pressão arterial.

Para um diagnóstico correto, uma pessoa precisa apresentar níveis de pressão arterial acima dos valores considerados normais, obtidos em duas ou mais aferições médicas.

Com que frequência a pressão arterial deve ser medida?

Pessoas que não possuem pressão alta devem fazer a verificação a cada seis meses. Já pessoas que foram diagnosticadas com o problema de saúde, devem verificar a pressão de acordo com recomendações médicas, que normalmente são semanais ou quinzenais.

Quem é mais propenso ao desenvolvimento de hipertensão: o homem ou a mulher?

Na idade adulta, o número de homens hipertensos tende a ser maior do que o de mulheres. No entanto, após o período de menopausa, mulheres possuem uma prevalência igual ou superior aos homens.

A doença possui origem genética?

A hipertensão arterial é uma doença multifatorial. Ou seja, depende de mais associações para sua ocorrência. A genética não é fator determinante para ocorrência desse problema de saúde, mas ter uma predisposição genética e levar uma vida estressante, por exemplo, pode facilitar a ocorrência do problema.

Clique aqui e descubra um método para baixar a pressão mais eficiente do que remédios

 

Ainda possui alguma dúvida ou questionamento sobre hipertensão arterial? Basta deixar um comentário que responderemos o mais rápido possível.

AUTOR: MURILO CAMANO – Nutricionista e biomédico pós-graduado em nutrição esportiva. CRBM 17665 | CRN3 51723 – Saiba mais sobre o autor

Referência Científica:
 

http://www.sbh.org.br/geral/noticias.asp?id=69

https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000900031&lng=pt&nrm=iso

http://cientifico.cardiol.br/cnbb/Aulas/Hipertensao-Arterial.pdf

http://www.scielo.br/pdf/%0D/abem/v43n4/11752.pdf

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86921997000400006

http://www.abran.org.br/RevistaE/index.php/IJNutrology/article/viewFile/258/215

http://www.abran.org.br/RevistaE/index.php/IJNutrology/article/viewFile/258/215

Reduce4 Slim