A Dieta dos Pontos facilita o controle do consumo de calorias, permitindo a perda de peso controlada e de acordo com as metas de cada um.

A Dieta dos Pontos, criada pelo endocrinologista Alfredo Halpern, da Universidade de São Paulo (USP), nada mais é que uma dieta baseada em um sistema simplificado de controle de calorias. Em outras palavras, o Dr. Halpern acredita que, se houver um sistema que facilite a contagem das calorias, será mais fácil que cada pessoa controle quantas calorias está consumindo.

Antes de mais nada, é preciso calcular quantas calorias a pessoa deve consumir diariamente. Esse cálculo deve ser realista, levando em consideração o estilo de vida, idade, peso, altura, e prática de exercícios físicos, bem como a meta de perda de peso. É importante que um nutricionista ajude a estabelecer essa cálculo.

Como fazer para emagrecer de vez com a dieta dos pontos: De acordo com seu valor calórico, cada alimento vale uma certa quantidade de “pontos”. Quem submete-se à dieta deve calcular os “pontos” dos alimentos que consome, que devem limitar-se de acordo com a quantidade de calorias estabelecidas para o consumo diário.

Pontos positivos

Teoricamente, a dieta deveria promover a reeducação alimentar, ensinando as pessoas a controlarem o número de calorias consumidos. Também permite uma perda rápida de peso, quando o limite de calorias for definido com tal finalidade.

Pontos negativos

Dependendo de como a dieta for conduzida, a reeducação alimentar é ilusória. Isso porque pode ocorrer a priorização de alimentos pouco nutritivos, que consomem rapidamente os pontos todos, prejudicando o consumo de alimentos saudáveis. Em outras palavras: você pode acabar gastando todos seus pontos em comidas “gostosas”, mas pouco nutritivas, deixando de consumir a quantidade certa de pontos em frutas e verduras, por exemplo.

Por isso mesmo, essa dieta requer acompanhamento de um nutricionista, para que não haja carência de nutrientes essenciais para a manutenção da saúde.

Como seguir a Dieta dos Pontos

Com base no número de pontos que cada um pode consumir (que devem ser definidos em parceria com um nutricionista), o indivíduo pode montar seu cardápio de acordo com suas preferências e necessidades nutricionais.

Todos os alimentos são permitindo, alguns com maior e outros com menor frequência, garantindo a diversidade da alimentação. Assim, existem alguns alimentos recomendados, mas não obrigatórios, conforme listado abaixo:

  • Café da manhã: recomenda-se o consumo de leite desnatado ou de soja, pães integrais, iogurtes e coalhadas, chá e café com adoçante, granola e cereais integrais, peito de peru e geleia light;
  • Almoço e jantar: são incentivados vegetais, massas e grãos integrais, proteínas magras como do frango e do peixe, e feijão;
  • Lanche: deve-se dar preferência a frutas, pães integrais e queijos magros (ou de soja).

A única proibição estrita dessa dieta é ao consumo de alimentos que contenham gorduras trans (para saber se esse é o caso, basta verificar a embalagem).

A pessoa deve alimentar-se de três em três horas, realizando pequenos lanches entre as refeições principais, e hidratar-se abundantemente com água.

Finalmente, é importante lembrar que óleos, condimentos e temperos em geral também devem ser contados como pontos.

Resultados

É impossível prever a redução efetiva de peso, uma vez que ela depende diretamente do limite de pontos estabelecido pela pessoa para seu consumo diário. Quanto menos pontos puder comer, maior será a perda de peso.

 

AUTORA: DANIELA SCHIAVON – Blogueira especializada em saúde e boa forma, avaliadora de produtos e suplementos. – Saiba mais sobre a autora

Gostou do artigo? Tem dúvidas? Deixe seu comentário! ;)