Inspirada no cardápio típico dos povos que vivem próximos ao Mar Mediterrâneo, essa dieta investe nos alimentos naturais e nas gorduras boas, enquanto afasta do seu cotidiano os industrializados.

Observando as populações que vivem em regiões banhadas pelo Mar Mediterrâneo – dos países do norte da África, sul da Europa e sudoeste da Ásia, além de ilhas da região – notou-se a o peso adequado e a ausência de doenças como hipertensão e diabetes, geralmente associadas à obesidade e aos hábitos alimentares incorretos.

Assim, inspirado nos cardápios típicos dessas populações, surgiu a Dieta Mediterrânea.

Como na dieta do Dr. Atkins, há uma ingestão relativamente grande de gorduras. A diferença, aqui, é que as gorduras são de altíssima qualidade – as chamadas “gorduras boas”. Assim, elas são obtidas de alimentos pouco consumidos no ocidente, como castanhas e grãos, azeite e peixes gordurosos (ingredientes abundantes na região do Mediterrâneo).

Outra característica dessa dieta é dar preferência aos alimentos naturais e consumidos frescos. Dessa forma, evita-se os industrializados e seus aditivos químicos, extramente prejudiciais à saúde.

Também há redução no consumo de açúcar, já que a dieta preconiza evitar doces. Com todas essas vantagens, é possível obter o equilíbrio certo entre um corpo saudável e uma silhueta perfeita, e ainda evitar doenças. Vale ou não vale a pena tentar?

Pontos positivos

Há diversos pontos positivos na Dieta Mediterrânea. A começar pela melhoria na saúde: com a redução no consumo de agentes químicos presentes nos produtos industrializados, bem como outras substâncias danosas como o açúcar refinado, há uma melhoria significativa na saúde e evitam-se diversas doenças, como problemas cardiovasculares, diabetes e obesidade.

Além disso, a troca de açúcares de fácil absorção (como os presentes nos doces) por outros mais complexos, presentes em carboidratos e, sobretudo, em produtos integrais, mantem a sensação de saciedade por mais tempo, evitando as recaídas e compulsões alimentares que acabam com qualquer dieta.

A grande ingestão de gorduras de alta qualidade, como aquela presente nos peixes e no azeite, aumenta consideravelmente o famoso “colesterol bom” (HDL), mantendo o “colesterol ruim” (LDL) sob controle.

Finalmente, a ingestão moderada de vinho, preconizada por essa dieta, traz ao cardápio uma bela quantidade de antioxidantes, que além de manter a beleza da pele em dia, ainda protege as células do organismo, aumentando a imunidade e equilibrando o metabolismo.

Ah, sim: e tudo isso ainda exugando aqueles quilinhos extras e afinando a silhueta.

Pontos negativos

Como deu para perceber, essa dieta é totalmente saúde. O único ponto que merece atenção é o consumo de vinho, nas situações em que a pessoa não pode com bebidas alcóolicas – nesse caso, vale substituí-lo por sucos de uva naturais e concentrados, daqueles vendidos em galões.

Como seguir a Dieta Mediterrânea

Para seguir a Dieta Mediterrânea, é importante sempre manter algumas regrinhas básicas na hora de montar o cardápio:

  • abuso nos vegetais: deve-se consumir alimentos de origem vegetal com grande variedade, e em grande quantidade. Assim, nada de timidez na hora de encher o prato com hortaliças, frutas, legumes e cereais.
  • laticínios diários: outra dica é tomar lacticínios – queijos, iogurtes ou ainda sua prima mais saudável, a coalhada – diariamente.
  • gordura da boa: de 35% a 40% das calorias diárias devem vir das gorduras, mas em sua maioria esmagadora das “gorduras boas”, vindas das castanhas, nozes e azeite de oliva, que deve sempre regar o prato.
  • vinho tinto: pelo menos uma taça de vinho tinto deve ser ingerida diariamente, preferencialmente acompanhando uma das refeições.
  • de olho no peixe: o peixe, uma das carnes mais ausentes no prato dos brasileiros, deve ser consumido de três a quatro vezes por semana, tornando a carne vermelha e o frango opções secundárias.

Resultados

De acordo com a idade, estilo de vida e metabolismo de cada pessoa, é possível perder entre 2 e 5 quilos mensais com a Dieta Mediterrânea.

Para tal, contudo, são necessários alguns cuidados: a prática regular de exercícios físicos, e o cuidado na hora de medir as quantidades – afinal, não é porque o alimento é saudável que ele não é calórico, e isso aplica-se sobretudo às gorduras. Mas se você está interessado em saber como emagrecer logo de vez, recomendamos a leitura do livro Emagrecer de Vez. Confira nossa resenha sobre ele!

 

AUTORA: DANIELA SCHIAVON – Blogueira especializada em saúde e boa forma, avaliadora de produtos e suplementos. – Saiba mais sobre a autora

Gostou do artigo? Tem dúvidas? Deixe seu comentário! ;)