Com uma mudança de hábitos que preocupa-se não apenas com o que se come, mas também com a forma como se come, é possível ter mais saúde, qualidade de vida e ainda eliminar alguns quilos indesejados.

O que a Dieta Funcional propõe é muito mais do que um cardápio passageiro para a perda instantânea de peso: é o reequilíbrio do organismo e o resgate do paladar, através de algumas mudanças de hábito.

Tudo começa com a eliminação de algumas manias ruins, como o consumo excessivo de produtos industrializados e artificiais. Além de intoxicarem nosso organismo com substâncias químicas nocivas, esses produtos são responsáveis por prejudicar nosso paladar, já que bombardeiam nossas sensações gustativas com aditivos como o excesso de sódio e o glutamato monossódico, que serve para realçar o sabor. Sem esses alimentos em nosso cotidiano, aos poucos vamos recuperando a capacidade de apreciar o verdadeiro sabor dos alimentos.

Pontos positivos

Além da melhoria na qualidade de vida, obtida pela chance de saborear melhor as refeições e adotar hábitos saudáveis à mesa, a dieta traz inúmeros benefícios à saúde.

O primeiro deles é a perda de peso, que ainda vem acompanhado da redução dos sintomas da TPM e na redenção de líquidos (um dos responsáveis pela terrível celulite!). Além disso, a dieta evita o envelhecimento precoce, e protege o organismo de diversas fontes de dano, como o estresse, os radicais livres e a poluição.

Pontos negativos

Como a perda de peso é promovida justamente pela reeducação alimentar e mudança de hábitos, ela não é tão rápida, sendo um pouco lenta a depender das expectativas de quem submete-se a ela. Por outro lado, essa perda gradual é mais duradoura que aquela promovida por dietas mais radicais, além de mais saudável.

Como seguir a Dieta Funcional

Para seguir essa dieta, é necessário alimentar-se de três em três horas – para tal, deve-se fazer as três refeições principais (café da manhã, almoço e jantar) além de pequenos lanches complementares.

Além disso, é essencial hidratar-se adequadamente (bebendo pelo menos 2 litros de água e outros líquidos por dia), além de alternar os alimentos consumidos diariamente, de forma a comer a maior variedade possível de carnes, frutas e verduras, obtendo todos os nutrientes importantes.

Aqui vão algumas dicas de cardápios para seguir a dieta:

  • Café da manhã: vale investir em um suco natural de fruta (batida sozinha, sem água e sem açúcar), chá, frutas in natura (como morangos, cerejas, amoras, laranjas, uma metadinha de mamão ou abacate), queijos magros ou de soja (o famigerado tofu), grãos integrais e granola, pão integral, além de lacticínios como o iogurte ou seu “primo” mais nutritivo, a coalhada;
  • Almoço e jantar: hora de dar prioridade aos alimentos de origem vegetal em quantidade e diversidade, consumindo-os tanto crus quanto cozidos, além de carnes mais magras e ricas em êmega 3, como salmão ou sardinha, evitando a carne vermelha;
  • Forcinha extra para o arroz-com-feijão: o arroz integral deve ser consumido diariamente, aliado a algum grão (vale feijão, lentilha, grão-de-bico ou ervilha);
  • Na hora do lanchinho: nos lanches intermediários, vale investir em frutas, frescas ou secas, bem como chás, castanhas e nozes.

Resultados

A perda de peso é lenta e gradativa, variando ainda de acordo com a idade, estilo de vida e metabolismo de cada pessoa. Segundo o livro Emagrecer de Vez, estima-se que seja possível perder até 500 gramas por semana, o que totaliza cerca de 2 kg por mês. Por outro lado, é possível continuar com a dieta de forma continua, perdendo cada vez mais peso.

 

AUTORA: DANIELA SCHIAVON – Blogueira especializada em saúde e boa forma, avaliadora de produtos e suplementos. – Saiba mais sobre a autora

Gostou do artigo? Tem dúvidas? Deixe seu comentário! ;)