A Dieta de South Beach separa os carboidratos “bons” dos “ruins”, para reeducar a alimentação e secar a cintura.

Essa dieta, que tornou-se hit entre diversos famosos, foi criada pelo cardiologista americano Arthur Agatston, inicialmente não com o propósito da perda de peso, mas para auxiliary no combate às doenças cardiovasculares.

Ainda que seja um tanto quanto restritiva nas primeiras duas semanas, a dieta não chega a eliminar totalmente nenhum grupo de alimentos do cardápio – em vez disso, propõe-se separar os “bons e maus” das gorduras e carboidratos, de modo a escolher melhor as fontes desses nutrientes.

Pontos positivos

Uma das grandes vantagens da Dieta de South Beach é que ela não elimina totalmente nenhum grupo de alimentos do cardápio, o que reduz o impacto da dieta sobre a saúde.

Pontos negativos

Como qualquer dieta que restringe o consumo de carboidratos, a Dieta de South Beach tem alguns efeitos colaterais: é possível que ocorra a cetose, reação do corpo que pode causar tonturas, dor de cabeça, fraqueza e indisposição, bem como desidratação. Além disso, a ingestão de quantidade insuficiente de fibras também pode causar problemas intentinais, como a prisão de ventre.

Os efeitos da falta de carboidratos são especialmente prejudiciais nos casos das pessoas que praticam exercícios físicos com regularidade. Essas pessoas devem buscar orientação de um medico antes de submeter-se à Dieta de South Beach.

Como seguir a Dieta de South Beach

Como emagrecer de vez com a South Beach?A dieta baseia-se em três etapas distintas, com cardápios e restrições diferentes de alimentos. Ao fazer a dieta, deve-se fazer três refeições principais e três lanches intermediários, alimentando-se de três em três horas.

Observe as fases:

  • Primeira fase (duas primeiras semanas): nessa fase, estão liberadas as hortaliças e verduras em geral, o frango (sem pele, é claro) e peixes lacticínios, ovos e azeite. Por outro lado, é preciso cortar do cardápio pães, arroz, batatas e massas, bem como os doces e as bebidas alcóolicas, sendo liberados como carboidratos apenas a soja, a lentilha e o feijão.
  • Segunda fase (a partir da terceira semana, até o peso desejado ser alcançado): nessa fase, novos carboidratos são inseridos no cardápio aos poucos, liberando gradualmente pães, massas e arroz (tudo integral, heim?), além de frutas, de preferência os de menor valor calórico.
  • Terceira fase (restante do tempo): a intenção aqui é manter os hábitos alimentares adquiridos nas fases anteriores – ou seja, a preferência pelos “bons carboidratos”, obtidos a partir de alimentos integrais. Uma vez por semana está liberado um doce de até 75 kcal, que pode ser uma taça pequena de gelatina, um pudim diet ou um picolé (lembrando de checar o valor calórico na embalagem).

Resultados

Estima-se que seja possível eliminar em duas semanas até 5 kg, a depender do metabolismo e da prática de exercícios físicos de cada um.

 

 

AUTORA: DANIELA SCHIAVON – Blogueira especializada em saúde e boa forma, avaliadora de produtos e suplementos. – Saiba mais sobre a autora

Gostou do artigo? Tem dúvidas? Deixe seu comentário! ;)